segunda-feira

História Coletiva

Um belo dia, eu vi um rato na janela. Ele estava dançando e tinha um nariz grande.
Num outro dia, eu fui ao zoológico ver os felinos, e vi uma jaguatirica tentando pegar um pássaro e adorei.
Saindo do zoológico eu vi uma árvore machucada, e eu fui ajudá-la, vi o mar ali perto e peguei um pouco d’água para dar à árvore, e ela se recuperou. Depois que a árvore se recuperou, eu dei a árvore para um índio.
Quando cheguei à tribo deste índio, ele se juntou com outros índios e índias para fazer um ritual.
Percebi que um pedaço da árvore caiu e criou vida própria, tudo isso aconteceu depois do ritual da gargalhada. As risadas eram tão mágicas que peguei todas elas, guardei numa caixa e mandei pelo Sedex. Quando as gargalhadas chegaram à cidade, tomaram conta do lugar. Porém, todos os habitantes caíram na gargalhada, até nas coisas mais absurdas.
Um outro belo dia, na praia, eu vi uma mulher se espreguiçando em uma ponte que havia perto da água, o mar estava tão lindo! Mas ele estava tão bonito, mas tão bonito que fechei os olhos e me imaginei na Bahia de Todos os Santos. Comecei a rodopiar e a gargalhar tanto, que me senti a própria baiana. Acabei caindo no mar!
Depois de duas horas, eu saí da praia e fui para a casa de um amigo meu. Lá, tinha um mapa do Brasil, e fiquei observando. E conclui que o Brasil é grande. Eu fiquei observando o mapa durante tanto tempo, que acabei entrando nele. Passei por todo o Brasil e perdi a hora. Depois, voltei para minha casa.
Tirei meu dinheiro do bolso e coloquei na janela. O dinheiro voou e caiu num ninho de passarinho. Voou de novo e caiu num banco onde havia um mendigo tomando banho com água de beber de garrafa.
O mendigo, com todo o dinheiro que achou, pensou que tinha ficado milionário. Saiu contando para todos que tinha ficado rico. Não era verdade isso, com aquele dinheiro, não dava para comprar uma coroa, que era o que ele queria. Então, tirou essa idéia da cabeça e fez uma casinha linda para ele, que afinal, ele curtiu muito!

A História Coletiva acontece após cada criança selecionar uma figura aleatoriamente. Em círculo, cada um deverá dar sequência à história, de acordo com sua figura. O objetivo é estimular a criatividade, a espontaniedade e o improviso. Depois da história pronta, escrita pelo redator escolhido pelo grupo, trabalhamos plasticamente cada figura, utilizando técnicas de desenho e/ou pintura, e trabalhamos cenicamente a história "absurda". O trabalho rende boas gargalhadas, além de desenvolver a cooperação e o "saber ouvir".

Um comentário:

Thadeu disse...

Eu adoro as histórias coletivas!!!
Elas permitem que os alunos viagem pela imaginação e o resultado é sempre ótimo!!!!
Parabéns pelo trabalho meninas!!!
Beijos!!!